This wig ornaments appears very early. As early as in ancient Egypt, the ancient Egyptian men have shaved his head after all shave and wear wigs. Later the Romans by Egyptian influence, is also keen to wear a wig.cosplay wigsclip in hair extensionshuman hair extensions for womenclip in human hair extensionsreal hair wigshuman hair wigs for white women
Refletindo sobre Redes e Desenvolvimento Local
  • catalisa@catalisa.org.br

Mais Artigos

ATIVIDADES CATALISA 2012-2013

2013-07-06 21:17:39

Documentos finais da RIO+20

2013-03-09 19:58:34

Movimento ambiental brasileiro aponta retrocessos na política ambiental do MMA

2012-12-28 00:00:00

Declaração da IX Assembleia Geral da Rede Brasil

2012-08-28 00:00:00

ATIVIDADES CATALISA 2011-2012

2012-07-29 00:00:00

RECEITA DE ANO NOVO

2011-12-05 00:00:00

Saúde e Ambiente: Serra Clara, Delfim Moreira/MG

2011-10-26 00:00:00

Especialistas alertam para o perigo dos agrotóxicos para a saúde humana e o meio ambiente

2011-05-12 00:00:00

Brasil implementa ações para garantir água em quantidade e qualidade

2011-04-01 00:00:00

Atividades CATALISA 2010-2011

2011-03-30 00:00:00

Ambiente e saúde: avaliação na Microbacia da Serra Clara, Alto Sapucaí, Delfim Moreira/MG

2011-02-10 00:00:00

Lagos e Rios no Ciclo de Carbono

2011-01-22 00:00:00

Recuperação de Áreas Degradas

2010-11-30 00:00:00

Água doce e ameaçada

2010-10-05 00:00:00

Atividades CATALISA 2009 - 2010

2010-05-30 00:00:00

Década Internacional: Água é Vida

2010-04-15 00:00:00

Norma ISO 26000 é aprovada para publicação em 2010

2010-02-25 00:00:00

Atividades CATALISA 2008 - 2009

2009-04-10 13:52:01

Responsabilidade Social e a construção da Norma ISO 26000

2008-09-26 20:49:42

Capacitação da sociedade: estratégia para a gestão de Recursos Hídricos

2008-08-16 21:48:45

O Evento Festival da Água no Terceiro Milênio

2008-07-14 18:50:23

Educação Ambiental e Agenda 21

2008-05-07 16:56:04

Atividades CATALISA 2007 - 2008

2008-05-03 01:00:32

Refletindo sobre Aquecimento Global e nossa Sociedade

2007-10-01 03:00:00

Escassez de água atinge 1,4 bilhão de pessoas no mundo

2007-09-03 22:18:25

AGENDA 21 LOCAL: A Cooperação entre os 3 Setores em busca da Sustentabilidade

2007-07-01 03:00:00

Atividades CATALISA 2006-2007

2007-05-16 21:02:38

Declaração Universal dos Direitos da Água

2007-03-04 20:58:27

Mudanças Climáticas - Futuro Radical

2007-02-15 16:53:05

Água: Uma Década de Lei

2007-01-23 12:00:30

Refletindo sobre Redes e Desenvolvimento Local

2006-11-09 09:48:18

Brasil - Índice de Desenvolvimento Humano

2006-11-09 00:00:00

Atividades CATALISA 2005-2006

2006-09-20 00:00:00

I Conferência Nacional de Economia Solidária - junho 2006 - Documento Final

2006-08-10 00:13:26

Carta de Santa Maria - Economia Solidária

2006-07-10 00:00:00

Economia Solidária - Texto Base da I CONEA (Síntese)

2006-05-18 15:53:13

Carta Convenção da Diversidade Biológica - COP 8

2006-03-30 00:00:00

Os Donos do Planeta: Corporações 2005

2006-01-14 22:00:57

Conferencia Nacional de Meio Ambiente - Texto Base - MMA

2005-11-08 13:53:39

Pegada Ecológica

2005-10-24 16:45:49

Criação de REDE DE TROCAS entre Empreendimentos Solidários da Cidade de São Paulo

2005-10-15 21:28:15

Lei Especifica Guarapiranga

2005-10-06 16:34:36

Carta de Compromisso Produção Mais Limpa

2005-10-06 14:55:10

Atividades CATALISA 2004-2005

2005-09-30 00:00:00

Consumo Consciente e a Redução de Lixo Produzido

2005-09-26 22:18:26

Conselho Nacional de Economia Solidaria

2005-08-30 15:56:54

Propostas do Ciclo de Seminários Parlamento das Águas

2005-08-24 13:58:11

Cooperação para Sustentabilidade na Capacitação da Sociedade Civil

2005-07-01 13:34:54

Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda - Termo de Referencia

2005-06-28 19:35:26

Composição do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê / 2005 - 2007

2005-06-28 15:12:13

Anteprojeto de Lei de Regulamentação de Cooperativas de Trabalho

2005-05-31 12:36:13

Microcrédito: a Democratização do Crédito

2005-04-29 16:59:46

Projeto de Lei de Economia Solidária do Estado de São Paulo

2005-03-30 10:47:21

Situação Atual do Mundo

2005-02-15 05:01:34

Jogos Cooperativos na Economia Solidária

2004-12-10 04:19:20

Economia Solidária: a Cooperação nas Relações de Trabalho

2004-11-01 02:01:26

Coperativismo e seus Princípios

2004-09-30 20:48:39

Comércio Justo e Solidário

2004-06-29 02:09:44

Caracterização de Empreendimentos Solidários

2004-05-25 09:54:05

Carta de Princípios da Economia Solidária

2004-04-21 04:52:36

Plano Estadual de Recursos Hídricos

2004-02-02 14:15:34

HINO À BANDEIRA

2003-11-19 10:09:02

HINO À PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

2003-11-15 10:17:22

Consciência de Grupo: A essência da Cooperação

2003-11-15 04:10:17

Ética e Cooperação

2003-10-29 01:47:48

HINO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

2003-09-07 21:58:12

Balanceando o Poder

2003-09-07 04:13:30

Partilhando sobre Liderança e Parceria

2003-08-10 04:07:15

Ecologia Interna e Simplicidade Voluntária

2003-07-29 01:51:49

Permacultura: A Cooperação com a Natureza

2003-07-15 20:16:55

O Conceito de Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável

2003-06-03 01:36:07

Reflexões sobre a Cidadania

2003-05-29 01:41:42

HINO NACIONAL BRASILEIRO

2003-05-07 10:04:59

Rede – palavras associadas:  

  • Descentralização
  • Horizontalidade
  • Interdependência
  • Flexibilidade
  • Interatividade lateral
  • Conectividade
  • Democracia
  • Autonomia dos membros
  • Participação voluntária
  • Co-responsabilidade
  • Diversidade
  • Multiliderança
  • Integração
  • Cooperação
  • Auto-organização


 
Rede – um novo modo de organização e de transformação da sociedade

Rede Social – caracterização (Chico Whitaker/CBJP, fundador do Fórum Social Mundial)

“As redes constituem uma proposta democrática de realização do trabalho coletivo e de circulação do fluxo de informações, elementos essenciais para o processo cotidiano de transformação social”.

Objetivos:·         a circulação de informações, base comum do funcionamento de todo e qualquer tipo de rede;·         a formação de seus membros;·         a criação de laços de solidariedade entre os membros;·         a realização de ações em conjunto.

Tipos:

  • por Composição: pessoas, instituições, pessoas e instituições e redes
  • por Natureza: temática, geográfica, organizacional, híbrida


 Redes Sociais - 7 Princípios: (Bernardo Toro, intelectual colombiano, consultor da Unicef)

1. Construir confiança: é necessário que as pessoas envolvidas numa rede saibam como cada participante reagirá em situações de grande pressão, por exemplo, a divisão de um financiamento insuficiente para todos. É nessas situações que se conhece os princípios e valores de cada um. Para armar uma rede é necessário reservar tempo para as pessoas se conhecerem e construírem confiança. Os coffee-breaks devem ser longos. É preciso conversar sobre as relações, expor as divergências, vivenciar conflitos, de preferência, com facilitadores profissionais. A transparência nos mecanismos de governança e tomada de decisões também favorece a construção de confiança.
2. Compartilhar valores: toda vez que o grupo se encontra presencialmente é preciso reafirmar os valores, re-pactuar os princípios. Por vezes, os pioneiros da rede estabelecem valores que esperam ser eternos. Mas os valores devem ser sempre re-visitados, reeditados, pois a realidade muda constantemente. Redes sociais, em geral, têm uma rotatividade elevada de membros. Em cada reunião presencial há várias pessoas novas. Por isso, deve-se sempre promover e compartilhar valores, se possível, de maneira planejada e sistemática.
3. Dar e receber: "O que eu ganho com isso?" Essa pergunta, que caracteriza mais o mundo dos negócios privados, também orienta o sucesso de uma rede social. As pessoas e organizações participam de redes que trazem benefícios individuais. Pode ser no alcance de objetivos maiores, públicos - e, para isso, estão dispostas a dar muito do que possuem, em conhecimento e trabalho. Mas a missão da rede também tem que estar inscrita nos objetivos de cada pessoa e organização membro, se não, as demandas do dia-a-dia se sobrepõem às necessidades da rede.
4. Criar produtos e eventos: a simples troca de informações, por site, e-mail ou e-group, não é suficiente para armar uma rede social. As tecnologias de informação e comunicação são meio, não fim. Há exceções - por exemplo, o processo de produção do sistema operacional Linux, em que o fim (um software de informação e comunicação) se confunde com o meio (uma plataforma de relacionamento). Outro campo em que a relação virtual por si só produz resultados é a academia, a universidade, cujo trabalho é a produção e disseminação de conhecimento. Mas redes sociais envolvem prática. A transformação social implica ação, além de reflexão. As redes sociais armam de fato quando se instaura um processo de produção coletiva, em que todos se reconhecem como autores em produtos e eventos.
5. Investir em lideranças: há sempre elos e conjuntos de elos muito mais conectados do que outros. Esses nós e grupos de afinidade têm um poder de multiplicação de idéias e práticas muito maior do que unidades com poucas conexões. Além disso, alguns elos da rede reúnem competências, habilidades e conhecimentos que não estão presentes nos outros. Redes sociais com um centro muito carregado, responsável pelo conjunto das atividades, tendem a ter menos sustentabilidade do que outras em que as funções estão distribuídas de acordo com as competências e lideranças de suas partes. É necessário identificar e fortalecer esses nós e promover grupos de afinidade. Em geral, é preciso também ter alguém que assuma o papel de "líder chato", que mantenha o cronograma de ações e cobre de cada parte seus compromissos. Por isso, é favorável ter uma secretaria executiva ou estrutura semelhante - sem, no entanto, concentrar nela todas as atividades e funções da rede.
6. Sistematizar conhecimentos: a memória de uma rede tem que ser planejada. O tempo e a rotatividade de pessoas em uma rede são sempre uma ameaça de "amnésia sistêmica". Novos membros numa rede tendem a diluir os princípios e valores, se não houver mecanismos de transmissão dos conhecimentos acumulados. Sem isso, há também o risco da rede ter que se reinventar periodicamente. Assim, toda rede precisa sistematizar suas aprendizagens, o que implica não só produzir materiais escritos, como manter processos estruturados de oferta desses conhecimentos - manuais, cursos, tutoria por pares etc.
7. Aprender fazendo: por mais que existam princípios comuns, cada rede é uma rede, as relações e os objetivos são únicos, é sempre uma nova aprendizagem. Nenhuma rede está nunca completa, pois vive sempre em mutação. Redes são orgânicas, alcançam tanto sucesso no mundo dos negócios porque se adaptam às mudanças do ambiente, além de reunir num coletivo diversas competências, habilidades e conhecimentos. Cada rede tem uma cultura, seus princípios e valores. Para construir esse tipo de identidade é necessário se arriscar a aprender fazendo.

Perspectiva de fomento ao Desenvolvimento Local 
  • Articulações: criar as condições, para os grupos locais, de consolidar e operar adequadamente processos de articulação e parcerias multiinstitucionais representa um importantíssimo passo.
  • Programas de indução ao desenvolvimento, de orientação vertical, com imposição de regras e condutas de cima para baixo, estão fadados ao insucesso. 
Desenvolvimento é desenvolvimento HUMANO SOCIAL Desenvolvimento é SUSTENTÁVEL

 

Desenvolvimento Sustentável: é um modelo econômico, político, social, cultural e ambiental equilibrado, que satisfaça as necessidades das gerações atuais, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades. 

  • Busca a melhoria da qualidade de vida da população e do planeta como um todo;
  • eqüidade na distribuição de renda e de diminuição das diferenças sociais, com participação e organização popular;
  • erradicação da pobreza e da exclusão, respeito aos direitos humanos e integração social;
  • redução dos impactos ambientais, da produção de resíduos tóxicos e da poluição;
  • equilíbrio de ecossistemas, conservação dos recursos, utilização de tecnologias limpas, renováveis e de maior eficiência;
  • respeito aos diferentes valores entre os povos e incentivo a processos de mudança que acolham as especificidades locais;
  • equilíbrio entre o rural e o urbano, equilíbrio de migrações, desconcentração das metrópoles, industrialização descentralizada e maior acesso à ciência e tecnologia;
  • construção da cidadania, eficiência das instituições públicas e descentralização da gestão de recursos.

 Redes e Desenvolvimento: podemos considerar que um processo de desenvolvimento sustentável no longo prazo requer horizontalidade no processo e empoderamento dos atores responsáveis por conduzi-lo.

 

 O que faz da organização de rede uma REDE é seu modo de funcionamento. 

 

 “Pensar globalmente e agir localmente”

·         Descobrir ou despertar as vocações locais

·         Capacitar atores sociais

·         Desenvolver as potencialidades específicas locais

·         Fomentar o intercâmbio externo

·         Atendimentos às necessidades imediatas e ao longo do tempo.   

Complexo Cooperativo - Modelo:  é uma concentração local de empreendimentos econômicos solidários que atuam em estreita cooperação entre si, segundo os princípios da economia solidária e articulados ao desenvolvimento local, o que garante a sua sustentabilidade, autonomia e capacidade de inovações endógenas.Estes complexos podem ser compostos por: empreendimentos produtivos, empreendimentos de serviços, instituições de consumo coletivo (cooperativa de consumo), serviços de comercialização, programas de formação, programas de educação ambiental e serviços de assessoria gerencial. A sua gestão deve ser controlada socialmente através da criação de conselhos ou fóruns com a participação dos empreendimentos e atores sociais locais, principalmente representações da comunidade.A construção dos Complexos Cooperativos é um processo gradual que passa pelo desenvolvimento das fases de diagnóstico, articulação institucional e implementação e devem estar articulados a um processo de mobilização social para estruturar a economia e a comunidade local.

Ações Estratégicas – Atuação CATALISA:

·         Potencialização da sociedade civil - Cidadania/Comunidade

·         Fomento ao empreendedorismo popular solidário

·         Qualificação social e profissional

·         Gestão de grupos

·         Práticas sustentáveis – Permacultura

·         Capacitação Técnica em Recursos Hídricos.

 

human wigs for white womenreal hair wigs for womenreal hair wigsPaula young wigs for women - Real hair wigslong angled bob